Trabalho remoto no pós pandemia, quais as expectativas

FacilityPrint > Blog  > Trabalho remoto no pós pandemia, quais as expectativas
Trabalho remoto no pós pandemia, quais as expectativas

Trabalho remoto no pós pandemia, quais as expectativas

Para muitos trabalhadores, o impacto do COVID-19 depende muito de uma pergunta: Posso trabalhar em casa ou estou preso ao meu local de trabalho? Quarentenas, bloqueios e distanciamento social levaram dezenas de milhões de pessoas ao redor do mundo a trabalhar em casa, acelerando um experimento no local de trabalho que lutava para ganhar força antes do COVID-19 chegar. Confira neste artigo as expectativas para o trabalho remoto no pós pandemia.

No início da pandemia, as limitações e os benefícios do trabalho remoto são mais claros. Embora muitas pessoas estejam retornando ao local de trabalho à medida que as economias reabrem – a maioria não conseguia trabalhar remotamente – os executivos indicaram em pesquisas que os modelos híbridos de trabalho remoto para alguns funcionários vieram para ficar. O vírus rompeu barreiras culturais e tecnológicas que impediam o trabalho remoto no passado, dando início a uma mudança estrutural no local de trabalho, pelo menos para algumas pessoas.

Agora que as vacinas começam a ser disponibilizada, surge a pergunta: até que ponto o trabalho remoto persistirá? Sabemos que mais de 20 por cento da força de trabalho poderia trabalhar remotamente de três a cinco dias por semana com a mesma eficiência com que trabalharia em um escritório. Se o trabalho remoto se mantivesse nesse nível, isso significaria três a quatro vezes mais pessoas trabalhando em casa do que antes da pandemia e teria um impacto profundo nas economias urbanas, transporte e gastos do consumidor, entre outras coisas.

Sabemos que mais da metade da força de trabalho, no entanto, tem pouca ou nenhuma oportunidade de trabalho remoto. Alguns de seus trabalhos demandam colaboração com outras pessoas ou uso de maquinário especializado.

O potencial para trabalho remoto é determinado por tarefas e atividades, não ocupações

O trabalho remoto levanta uma vasta gama de problemas e desafios para funcionários e empregadores. As empresas estão considerando a melhor forma de fornecer treinamento remotamente e como configurar os espaços de trabalho para aumentar a segurança dos funcionários, entre uma série de outras questões espinhosas levantadas pelo COVID-19. Por sua vez, os funcionários estão se esforçando para encontrar o melhor equilíbrio entre casa e trabalho e se equipar para trabalhar e colaborar remotamente.

Em contrapartida muitas atividades físicas ou manuais, bem como aquelas que requerem o uso de equipamentos fixos, não podem ser realizadas remotamente. Isso inclui fornecer cuidados, operar máquinas, usar equipamentos de laboratório e processar transações de clientes nas lojas. 

O potencial de trabalho remoto é maior nas economias desenvolvidas

O potencial para trabalho remoto varia entre os países, um reflexo de seu setor, ocupação e combinação de atividades. Os serviços comerciais e financeiros são uma grande parte da economia de países como o do Reino Unido, por exemplo, e tem o maior potencial para trabalho remoto entre os países que examinamos.

Sua força de trabalho poderia teoricamente trabalhar remotamente um terço do tempo sem perda de produtividade, ou quase a metade do tempo, mas com produtividade diminuída. Outras economias avançadas não estão muito atrás; sua força de trabalho poderia dedicar 28 a 30 por cento do tempo para trabalhar remotamente sem perder produtividade.

O trabalho remoto híbrido tem implicações importantes para as economias urbanas

Atualmente, apenas uma pequena parcela da força de trabalho nas economias avançadas – normalmente entre 5 e 7 por cento – trabalha regularmente em casa. Uma mudança para 15 a 20 por cento dos trabalhadores que passam mais tempo em casa e menos no escritório pode ter impactos profundos nas economias urbanas. ou seja, se mais pessoas trabalhando remotamente significa menos pessoas no deslocamento diário entre casa e o trabalho. Isso poderia ter consequências econômicas significativas, incluindo transporte, gasolina e vendas de automóveis, restaurantes e varejo em centros urbanos, demanda por imóveis para escritórios e outros padrões de consumo.

O impacto disso repercutirá nos restaurantes e bares, lojas e empresas de serviços que atendem a trabalhadores de escritório e afetará algumas receitas fiscais estaduais e locais. Nem os imóveis residenciais estão imunes ao impacto do trabalho remoto. 

Os trabalhadores remotos também podem mudar os padrões de consumo. Ou seja, menos dinheiro gasto com transporte, almoço e guarda-roupas adequados para o escritório pode ser desviado para outros usos. As vendas de equipamentos de home office, ferramentas digitais e equipamentos de conectividade aprimorada dispararam. Resta ver se a mudança para o trabalho remoto se traduz em espalhar prosperidade para cidades menores. 

As organizações terão que ajustar suas práticas para capturar ganhos potenciais de produtividade do trabalho remoto

O trabalho remoto é bom para a produtividade? Em última análise, a resposta pode determinar sua popularidade. Isso especialmente devido ao longo período de queda na produtividade da mão de obra que precedeu a pandemia. Até agora, há pouca clareza – e contradição generalizada – sobre o impacto na produtividade. 

Um obstáculo à produtividade pode ser a conectividade. Pesquisa realizada pela Universidade de Stanford descobriu que apenas 65% dos americanos entrevistados disseram ter um serviço de Internet rápido o suficiente para suportar chamadas de vídeo viáveis. Em muitas partes do mundo em desenvolvimento, a infraestrutura de conectividade é dispersa ou inexistente. Dessa forma o desenvolvimento da infraestrutura digital exigirá investimentos públicos e privados significativos.

Algumas formas de trabalho remoto tendem a persistir muito depois da pandemia. Isso exigirá muitas mudanças, como investimento em infraestrutura digital. Assim como liberação de espaço para escritórios e transformação estrutural de cidades, serviços de alimentação, imóveis comerciais e varejo. Também corre o risco de acentuar as desigualdades e criar novos estresses psicológicos e emocionais entre os funcionários, incluindo o isolamento. Para a maioria das empresas, ter funcionários trabalhando fora do escritório exigirá a reinvenção de muitos processos e  políticas. 

Gostou deste artigo então acompanhando nosso blog, toda semana temos novos artigos. Siga-nos também nas redes sociais (LinkedinFacebook,  InstagramTwitter) para saber todas as novidades da Facility Print Soluções Gráficas.

Sem comentários

Deixe um comentário

Comentário
Name
Email
Website

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

× Como posso te ajudar?